quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

CRÔNICA: TENHO 24 ANOS, SEM FACULDADE E QUERO TRABALHAR. E AGORA?

*suspiro*

E lá vamos nós outras vez pelo inquietante mundo de Victório Anthony... Eu me sinto a pessoa mais chata do mundo tendo que falar, e só falar, de problemas. As pessoas não gostam de problemas, ninguém gosta de problemas, todo mundo quer soluções! Mas está difícil...

Onde eu moro, tem uma garagem que fica no nível da rua e subia-se uma escada para o outrora quintal ligado a lage acima da garagem que fazia parte da minha infância - era um local enorme, que tinha uma ótima vista, de onde se podia ver os prédios do centro de São Paulo. Esse lugar não existe mais... No lugar, tomando todo o espaço, uma casa foi erguida para o filho do meu tio e dono da casa... Antes da minha vida virar de ponta cabeça de vez por causa da mudança para o Ceará, naquele quintal e naquela lage, eu saía no meio da madrugada para respirar e pensar - era um momento de alívio dessas minhas constantes preocupações. Ali eu podia simplesmente admirar a calma da cidade, momento raro de uma cidade conturbada onde as pessoas acordam pela manhã para ir trabalhar e só voltam a noite. Ali eu respirava e conversava comigo mesmo, debatia durante um bom tempo assuntos diversos, sem esperar que alguém ouvisse ou se importasse, era eu e apenas eu... Agora eu tenho que me contentar com a lage da nova casa, onde não há proteção alguma e acidentes podem acontecer. Não me sinto confortável em fazer isso, mesmo assim eu preciso, não há outro lugar onde eu possa fazer isso...

O que eu quero contar desta vez é que eu olho para o horizonte, vejo o enorme tamanho dessa cidade e não consigo imaginar onde eu possa me encaixar... Lembra-se do título do blog? "Não pertenço a lugar nenhum"? Pois é, não é apenas uma simples figura de linguagem, é a minha situação como pessoa.

Acho que tudo isso começou quando eu comecei a trabalhar como vendedor na Santa Ifigênia, região famosa pela venda de eletrônicos e afins, e não guardei nada para mim. Não que eu ficasse gastando com roupas e outras coisas, eu até ficava um bom tempo andando pelas lojas que eu gostava antes de comprar qualquer coisa, mas o que eu gostava mesmo de fazer na época era comprar mangás (história em quadrinhos japonesa), pra mim o maior prazer do mundo era começar a ler e deixar essa realidade. Era como se eu entrasse na história e, não importasse onde eu estivesse, se em casa ou no ônibus em movimento, eu estava em outro lugar. Como os mangás de sucesso ganham suas animações e pude acompanhar algumas na época, eu já cheguei a ficar em dúvida se eu havia lido ou assistido, de tão entretido que a leitura era para mim. Foi nisso que eu acabei investindo o meu dinheiro. Eu não gostava da ideia de comprar roupas novas como a maioria, eu gostava mesmo era de uma boa história... Infelizmente, o assunto não é esse, eu preciso fazer algo da minha vida...

Eu não fiz faculdade, do jeito que as coisas sempre foram pra mim, fiz um vestibular que me pareceu interessante e só, nunca nem pensei em realmente tentar entrar numa faculdade. Talvez eu nem tivesse conseguido terminar, mas pelo menos agora eu teria uma direção, quem sabe... O fato é que eu fiquei preso num circulo vicioso: eu preciso estudar pra trabalhar e trabalhar para estudar. Nenhum curso é barato, sempre há investimentos que precisam ser feitos mesmo quando o curso é de graça. Não faço ideia do porque desse ser o sistema oficial quando ele não serve a quem precisa, do porque quando você procura por emprego, a maioria das empresas pedem experiência, se há pessoas que nunca tiveram oportunidade para trabalhar... Há programas do governo que tentam resolver isso, contudo, além de que eu estou velho de mais, eles não prestam de verdade... Eu fiz dois cursos básicos, eram interessantes, aprendi alguma coisa, mas não era o bastante, era algo, irrisório. No curso de informática básico, o material era um lixo, quase infantil, que nem foi aproveitado e a maior parte do conteúdo eu já conhecia. No outro curso básico que tive a oportunidade de ir, foi um pouco melhor. Era um curso de marcenaria não muito longe de casa, pude fazer um raque desses pra televisão e uma mesinha de centro, Foi o melhor curso que tive o prazer de terminar, mesmo que curtíssimo... E depois que eu terminei foi que eu entendi que ele não bastava. Fui chamado para entrevistas de emprego em marcenarias longe de casa, na segunda eu consegui entrar em experiência por uma semana... não durei um dia. Eu não fui despedido ou fiz algo errado, eu apenas fiquei tão exausto que tremia sem me aguentar. Consegui suportar até o final do dia e dizia para mim mesmo que não iria mais voltar. No dia seguinte eu estava com muitas dores pelo corpo...

Será que um curso realmente te prepara para o mercado de trabalho?

A resposta para isso é curta e grossa: NÃO. Nenhum curso te prepara para nada, ele apenas te presta conhecimento e VOCÊ e somente VOCÊ é que irá descobrir o que fazer com ele, VOCÊ é que deverá ter a vontade de seguir enfrente e fazer valer a sua pessoa. O curso NUNCA fará isso por você.

Então, para que serve estudar então?

O estudo é uma direção. Com ele você sabe o que pedir para ser empregado. Se você faz curso de marcenaria, você irá procurar emprego numa marcenaria; se você faz curso de administração, você poderá procurar emprego num escritório; se você fez curso de gastronomia, você procurará um restaurante para trabalhar; e por aí vai... Eu fiz um cursinho básico de informática e um de marcenaria (fora os de Design de Interiores e Administração que não terminei) e sabe quantas vagas de emprego estão interessadas nisso? NENHUMA. Mesmo que eu esteja apenas sendo pessimista, nenhuma empresa, pelo que eu saiba, se preocupa com o empregado em primeiro lugar, elas não querem ouvir a sua história e depois te ajudar...

Uma das coisas que eu achei muito diferente da cultura japonesa sobre o trabalho é que, por um motivo que eu não sei qual é, há o costume dos novos empregados se apresentarem aos clientes dizendo "eu sou o novo emprego, cuide bem de mim". Eu, francamente, não entendo... Isso não existe no Brasil! Sei que os japoneses são a imagem da polidez e educação, e isso é apenas reflexo de pessoas que agem de forma regrada, mesmo assim, é um cuidado bem maior do que eu consigo imaginar para o mercado de trabalho no Brasil.

Quando eu procuro emprego por um site de empregos a primeira coisa que eles pedem é "que cargo você procura"? Isso me irrita! Eu não sei que tipo de emprego eu realmente quero! Eu não pude estudar e agora me contro sem rumo... E o que é pior, é obrigatório que você use a categoria que você quer... Então o que me resta e catar no meio das possibilidades oferecidas pelo site por uma categoria neutra, como ajudante. Tudo bem, eu coloquei assim e fui ver o que o site oferecia. Me deparei com algo tão ridículo que eu deveria escrever um livro satirizando a forma como as empresas querem que o candidato seja, comparar com a realidade e mostrar que nem ao menos o anuncio foi feito de maneira adequada! Exemplo, na última visita que fiz ao site, procurei por uma vaga diferente: estoquista. Eu tenho uma certa mania de querer colocar os produtos das prateleiras do mercado no lugar (mesmo que o meu pseudo-quarto nunca esteja arrumado) e resolvi que essa poderia ser uma colocação melhor que simplesmente ajudante. Haviam apenas duas vagas, uma parecia ser bem interessante. Quando fui ler, estava escrito algo como: para loja na Zona Norte e que só pegue uma condução. Até aí mantive o interesse e fui verificar, por pesquisa no Google, qual era o endereço da loja, já que o anuncio é tão curto que não ajuda em nada. Sabe o que eu descobri? Há mais de uma loja na zona norte! Ou seja, eu provavelmente terei de pegar duas conduções, pois nem há uma loja dessas perto de casa... Essa confusão foi brochante, como a maioria dos anúncios de emprego são pra mim...

Afinal, qual é o meu problema?

Eu não quero nenhum desses empregos que aparecem por aí... Meu primeiro emprego foi como vendedor, eu sou tímido, introvertido e me sinto um idiota toda vez que começo a falar com alguém, pois parece que eu estou falando demais, falando o que não devia... Não me sinto bem em trocar ideias com as pessoas, justo o que é a alma do negócio de vendas. Não quero trabalho pesado, o único dia em que fui trabalhar como marceneiro me mostrou que eu precisava fazer academia pra conseguir começar a fazer algo do gênero. Eu não tenho experiência em carteira, nem fiz um curso numa faculdade... O que sobra? Nada, eu acho... Praticamente não há necessidade de pessoas para trabalhos do gênero que eu procuro e me parece que as empresas que poderiam procurar por pessoas novas para isso não fazem anúncios com tanta frequência... O sistema não consegue ser construtivo, ele está solto, embolado, e não há ninguém que possa resolver esse problema, pois a maioria das pessoas sabe o que fazer da vida e, por necessidade, fará qualquer coisa para conseguir o que quer. O mercado de trabalho é competitivo, voraz, e eu sou apenas um cara simples que não quer ter que brigar por nada...

O que eu realmente gosto de fazer?

É o que você acabou ler! Eu gosto de escrever, faço isso compulsivamente, falando sem parar, tentando me explicar e ser entendido, quando o muito que consigo é deixar tudo mais confuso.

E então?

O Brasil não valoriza escritores... Todo escritor no Brasil tem um "trabalho de verdade", por assim dizer. Ser escrito é o hobby dos escritores. De certo que há escritores que fazem sucesso e se mantém da escrita, mas não há empresas procurando por eles, as editoras não querem autores nacionais, o que elas querem mesmo são livros que se tornem best sellers, elas não se importam com os autores até que eles provem serem interessantes. Eu não tenho todo o tempo do mundo... eu preciso de algo para agora, para ontem, algo que me dê dinheiro já.

A dúvida eterna...

Ser feliz ou fazer o que é preciso? Alguns podem pensar: "por que não os dois?", é, eu também poderia pensar em algo assim... se eu soubesse do que isso se trata... Eu vivo num mundo em que nada faz sentido pra mim, sinto como se eu tivesse que abandonar completamente quem eu sou para ser o que eu não quero ser e somente assim conseguir trabalhar. Eu só consigo imaginar empregos que irão me tomar o meu tempo e me deixar estressado, incapaz de sonhar... Eu sou neurótico, como pode ver, cara leitor, pelo que eu me conheço eu sei que se eu não encontrar uma válvula de escape eu vou explodir a qualquer momento... Não é porque eu estou em casa, no notebook, que eu estou menos estressado, pelo contrário! Eu só consigo ficar pensando em tudo isso que eu te disse e não encontrar uma única saída viável, eu travo completamente, não tenho uma única referência para me guiar...

Eu sou um idiota, admito, um ser anormal que... não pertence a lugar nenhum... É o que eu sou, anormal, tão diferente que até os anormais me acham um idiota porque eu não consigo resolver o problemas mais simples que "qualquer um consegue resolver".

Às vezes eu realmente acredito que não posso pertencer a este lugar, que eu deveria desistir de tudo e esquecer toda essa idiotice minha...

Estou começando a ter medo das pessoas, a me fechar cada vez mais, não devo nem ser mais a sombra do garoto animado que não sabia do que a vida se tratava e começou a trabalhar de qualquer jeito, sem saber exatamente o que deveria fazer e conseguia fazer isso sem maiores problemas. Agora esse garoto cresceu e não consegue lidar com as próprias emoções. Minha mente diz uma coisa, meu coração diz outra e nunca chegam a um acordo. Estou dividido, triste, desesperado, procurando por uma saída que pudesse me salvar...

Nos meses de Abril, Julho e Novembro, todos os anos, um site americano conhecido por NaNoWriMo - que seria a abreviatura para "mês nacional para escrever um livro" em inglês, promove entre os escritores que eles escrevem um livro inteiro dentro de um mês - pelo menos 50 mil palavras. Ano passado eu participei da edição de Novembro e consegui escrever as 50 mil palavras mínimas... Mas ainda não terminei o livro. Por um simples motivo, minha cabeça está num espiral interminável de preocupações com o futuro e isso apaga completamente a minha capacidade de criar mundos. O máximo que eu consigo fazer é escrever crônicas e textos genéricos, colocar pra fora as minhas inquietações, já que ninguém nunca se importou com elas... Eu só consigo dizer "eu não sei"quando me perguntam mesmo...

Eu não queria me arrepender do que eu faço, do que eu gosto de fazer, mas o tempo passa, e você vai ficando com vergonha de si mesmo, se sentindo um cretino preguiçoso que não consegue levar nada a sério...

Por enquanto, tentarei pensar em alguma outra coisa...
Eu não pertenço a lugar nenhum...

Até a próxima... :o\


14 comentários:

  1. Vim parar aqui , pois estava pesquisando dicas '' Do que fazer aos 20 e poucos anos '' ahhaha crise..me sentindo velha..rs..tanto é que hoje comprei meu primeiro creme anti idade..enfim..não vamos falar de mim..e sim de você. Acredito que o que você precisa nesse momento é de um estímulo..Meu Deus..as coisas não são assim catastróficas como você descreve! Você disse que as pessoas não gostam de ouvir problemas..apenas soluções..concordo..mas nesse seu texto todo não vi um pingo de vontade de você querer mudar sua situação..apenas lamentos..Meu bem,a vida é tão linda..você tem dificuldades porque não arruma um emprego bom? não se sente qualificado? Pare de se menosprezar! Faça testes vocacionais, descubra no que melhor você se identifica..descobriu? Infelizmente segundo estatísticas a maioria das pessoas não estão satisfeitas com seus próprios empregos..e o que elas fazem? umas mudam..outras continuam..mas mantendo o foco..Encontrou o que quer fazer da vida? Você não precisa de uma definição de carreira pra trabalhar a vida toda nisso! Encontre algo que te faça feliz por agora; pode ser que sua perspectiva de vida mude..pode ser que você não queira mais essa profissão daqui 02 anos..e ai o que vc faz? muda de novo! somos livres..temos a opção de mudar, se reinventar! basta querer! Enfim, quando encontrar algo que se imagine fazendo, não perca tempo..procure um emprego, pague um curso com esse emprego, invista em você..a unica forma de sermos felizes é fazendo a nós mesmos felizes. Então comece por você. Seja feliz! Estamos só de passagem por aqui..não se esqueça.

    ResponderExcluir
  2. Ora, ora, ora...
    E não é mesmo que as pessoas adoram fazer o papel de 'eu estou certa, completamente certa' e de assumir que a outra pessoa está 'errada, completamente errada, e preciso corrigi-la'.
    Pois bem, também tenho o direito a responder da mesma forma.
    Se você não percebeu JÁ se passaram 2 anos. E quer saber? Quer saber mesmo? Estou tentando terminar uma trilogia (três livros para ser mais específico) que não estou conseguindo terminar. Porque eu estou com preguiça? Quem me dera!
    Pura e simplesmente meu notebook começou a falhar no meio da escrita do terceiro livro. NO MEIO! E quer saber quando foi isso? Maio de 2016. E estamos em Abril de 2017.
    Ah! Sim! Já ia me esquecendo, o notebook foi pro concerto e, adivinha? Pessoas me prometeram concertar e até agora ficou só na promessa...
    Estou há meses frustrado, só esperando para conseguir me acalmar e voltar a escrever o bendito livro. Até mesmo um tio meu me deu um notebook usado para que eu não ficasse apenas esperando. E não é que esse notebook também deu problema?! Agora o notebook está lá, esperando pela bondade da pessoa que prometeu concertá-lo ter tempo no meio do trabalho tumultuado e finalmente voltar pra mim. E quanto ao outro? Vou ter sorte se um dia puder voltar a vê-lo.
    E o que há de importante nisso?
    Ou será que você vai menosprezar o que eu faço mais uma vez?
    O meu notebook é a minha ferramenta de trabalho. Sem ele não há trabalho.
    Mudar? Você realmente considera que há espaço para mudança?
    Ótimo! Você definitivamente não enxerga que eu tenho problemas, que eu sou diferente.
    Não, eu não sou especial. Tenho lutado há anos pra encontrar o meu lugar e a vida nunca foi realmente convidativa. Apenas 2 anos e eu posso mudar?
    É tão fácil dizer ao invés de perceber as consequências dos significados das suas palavras...
    Essa não é uma situação que eu quero mudar. Na verdade, morrer é uma ideia que me dá muito mais prazer, sabe?
    Hahah, vou deixar essa frase pela metade mesmo, o múltiplo significado dela ficou interessante.
    Quer saber, ocorreu uma mudança nesse meio tempo, entre estar escrevendo o livro e agora. Resolvi que quero desenhar. Claro, apenas dizer que quero desenhar não implica o quanto é preciso desenvolver a técnica, o quanto é preciso aprender e, principalmente, o quanto eu ainda não sei desenhar.
    Estava pensando em juntar um dinheirinho pra comprar um notebook novo, ia durar meses e então ganhei o notebook usado. Pensei comigo mesmo e resolvi que ia cumprir com o que queria ganhar de aniversário de mim mesmo: uma mesa digitalizadora.
    Consegui! Me custou mais do que eu havia planejado, mas comprei... só pra depois o notebook parar de funcionar como eu havia dito. Estou nesse ciclo, aquilo que eu mais preciso fica quebrando e me deixando mais irritado.
    E então a pessoa considera um bom exemplo comentar como se fosse um caminhão entrando numa casa pela parede...
    Não gostei nenhum pouco do que você disse. Não me deu ânimo algum pra nada.
    Eu estou tentando, estou aproveitando alguns poucos momentos mais felizes pra dizer a mim mesmo que não é tão ruim.
    Mas você diz: 'basta querer'.
    Ótimo! Eu quero ser rico! Quero poder gastar dinheiro com o que eu sempre me imaginei fazendo: concertar o que está errado ao meu redor, redimir aquele que precisa, poder dar abrigo às dezenas de pessoas que vejo na rua...
    Mas não é simples, NUNCA FOI.
    O quão rápido você acha que seria encher um prédio com 100 apartamentos com pessoas que não tem casa?
    Hahah, talvez eu esteja sempre pensando grande demais e ao tentar pensar de forma simples, demonstrando como eu penso numa simples crônica, as pessoas ao invés de entender que é um desabafo, ao invés de entenderem que já se passaram 2 anos desde que eu publiquei esta história, elas acham que eu ainda tenho 24 anos. Já tenho 26 anos!
    Justamente: estamos só de passagem por aqui. O que você acha que me decepciona mais? Eu quero dar valor a minha maldita vida e, no entanto, ela pode ser arrancada de mim sem que os processos que eu considero importantes para terminar sejam respeitados, não é?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A vida pode ser boa o quanto for... viver é uma merda.
      Você realmente leu o que eu escrevi?
      Eu explico como eu sou, que eu não sou extrovertido, que eu tenho dificuldade de falar, de me expressar com outras pessoas pessoalmente e você simplesmente escreveu como se a vida fosse fácil, como se eu sempre tivesse dinheiro pra custear toda e qualquer mudança, como se as pessoas não agissem de forma fria comigo...
      Você simplesmente escreveu: 'a vida É boa'. Isto está incorreto.
      A vida é boa E ruim. Todos nós temos altos e baixos e percebemos esses altos e baixos de formas diferentes.
      Eu poderia muito bem ter aceitado um: "uma hora vai mudar" ou "se está ruim, é porque está mais perto de ficar melhor", mas não, você realmente acha que só porque você quer ver algo que não é apenas bom, como algo inteiramente bom, vai conseguir me fazer ser menos realista.
      2 anos se passaram...
      Matematicamente falando, minhas chances de algo realmente mudar pra melhor são praticamente nulas. E as chances das coisas piorarem estão cada vez maiores.
      Mas isso me deprime? Não. Eu SOU deprimido. E quer saber por quer eu prefiro olhar a vida assim ao invés de ser mais confiante? Quando você menos espera, algo muda.
      Estou até agora esperando a vida realmente mudar pra melhor, mas toda vez que eu realmente queria algo... me decepcionei. Me decepcionei amargamente.
      E o que eu fiz? Estou levando, ainda estou aqui, sem saber se eu deveria confiar mesmo.
      Estou feliz em saber que nada muito ruim aconteceu ainda, mas não vou fingir que estou contente. Não vou fingir que esqueci o lado ruim da vida, não vou fingir que a vida não é algo frágil. Estou pacientemente esperando pelo lado bom da vida acontecer, se é que ele vai acontecer algum dia.
      Você tem sorte se a sua família realmente te apoia.
      Você tem sorte se tem amigos que não se importam de conversar com você a hora que for.
      Você tem sorte se o dinheiro é algo estável na sua vida.
      Você tem sorte se encontrou alguém que te ama... ou que finge sentir amor por você, e você consegue amar essa pessoa de volta.
      Eu não tenho nada disso.
      Minha família nem imagina quem eu sou, o que eu escrevo e - se pelo menos não me forçam a ser o que eu não quero - me sinto sozinho por não ter ninguém que queira me ajudar a chegar onde eu quero.
      Amigos? Tenho dificuldade em dizer que alguém é amigo. Na verdade, acho que, sem ninguém dizer nada, todo mundo joga um jogo onde todo mundo é amigo, mas a partir do momento em que a pessoa mostrar os seus defeitos, não existe mais amizade. Vi uma ex-colega de escola andando na rua essa semana e parei um pouco pra tentar dizer pelo menos um 'oi'. É difícil pra mim, mas tentei. Ninguém disse nada. Ela deve me achar um estranho por não saber que eu travei numa outra vez que a vi, do mesmo jeito que você não consegue nem ao menos demonstrar que sabe com quem está falando - que realmente entende pelo que eu passo. Você só assume que sabe do que está falando sem nem perceber que eu fiquei embaixo do seu caminhão de palavras.
      Me senti magoado... Você só consegue me comparar ao que você conhece e quer que os resultados sejam os mesmos que os resultados dos outros que você conhece.
      Senti raiva... Eu me controlo todo santo dia pra não estourar, pra não querer matar quem eu vejo fazendo algo que me irrita, que poderia muito bem ajudar a fazer alguma coisinha em casa. Mas tenho que ter paciência, isso não vai mudar, não tão cedo.
      Permaneço seguindo, com o coração arrancado pela boca, sem conseguir falar.
      Se eu pudesse acreditar que algo mudaria...

      Excluir
    2. Se eu ganhasse R$5'000,00 muita coisa poderia mudar. Eu poderia trocar meu único par de tênis, poderia comprar meias e cuecas novas. Poderia trocar meu celular, ele está novamente com um probleminha no botão de ligar/desligar e precisa ir para o concerto. Eu poderia finalmente comprar um notebook novo! Um melhor do que o outro! Poderia comprar uma mesa decente pra escrever e uma cadeira melhor do que essas que estão matando minhas costas. Poderia...
      Se eu ganhasse um pequeno prêmio na mega sena também ficaria feliz, poderia dizer que um dia aconteceu. Há anos minha mãe joga aqui e ali, e sempre considero que teria sido muito melhor ter guardado aquele dinheiro todo gasto e jogos que nunca devolveram nada, numa conta no banco.
      Todo ano meu aniversário é algo... estranho pra mim. Não é motivo de festa, mesmo sentindo que deveria ser alguma coisa, pois todo mundo parece fazer dessa data algo especial. Eu tentei fazer esse ano, em Janeiro de 2017, tive que adiar por um mês a minha pequena felicidade...
      Mas será que você entende o quanto eu quero fazer as coisas funcionarem e elas simplesmente não estão funcionando comigo?
      Eu prefiro andar a pé a ficar gastando R$3,80 na passagem de ônibus. Minha mãe acha que eu sou maluco por fazer caminhadas de 8 km (4 km pra ir e mais 4 km pra voltar) só pra ir num supermercado pra comprar algo mais barato...
      Minha vida não vai virar algo que você conhece da noite para o dia, estou há anos assim... É a minha perspectiva de vida, não a sua. Se o que você disse funciona pra você, não quer dizer que vai funcionar pra mim.
      E eu encontrei o que eu quero fazer, é o que eu estou fazendo agora. Mas mesmo essas condições, que são simples pra quem tem o que eu não tenho, são difíceis de cumprir...
      Eu não gosto da ideia de confiar em alguém: todo mundo parece como você, dizendo que tudo só está esperando ser feito. Você não vê o quanto eu estou exausto, o quanto eu estou deixando de me alimentar por ter perdido a vontade de viver...
      Às vezes eu só queria que esse tipo de assunto nunca terminasse parecendo que eu estou discutindo com você ou com qualquer um, que as pessoas pudessem se interessar em conversar um pouco sem que isso se torne algo tão pessoal.
      Antes de escrever este texto, eu digitei algo parecido com o título no Google. Não havia nada que respondesse a pergunta...

      Excluir
  3. Me indentifiquei demais com você Victorio Anthony !
    Parece que estou lendo algo escrito por mim,sério... Ao mesmo tempo que é muito dolorido... Por refletir totalmente as dores que sinto e vivo.. é bom saber que há alguém nesse mundo superficial e vazio que pensa como eu, que sente como se não pertencesse a esse lugar.. e você sabe que muitas vezes "pensar na idéia de que um dia vou morrer..me da um certo prazer?!
    Pois é ..pode parecer bizarro para alguns.. mas não para mim.
    Sempre sonhei em ser o oposto do que sou.. ser extrovertida, ter amizades (verdadeiras, se é que existem)
    Não ter as lembranças horríveis do passado que eu carrego comigo noite e dia.
    Não me sentir perdida...deslocada..
    Sentindo que sou diferente de todos.. parece que as pessoas sempre sabem o que querem para a vida.. fazem suas faculdades.. tem perspectivas.. sonhos ideais..
    Eu tbm sonhava em escrever um livro. Chega a ser engraçado.. mas escrever sempre foi uma das poucas coisas que me deixaram feliz.
    Mas com todas as preocupações na minha mente.. agora com 23 anos.. em setembro farei 24..
    Estou com transtorno de ansiedade generalizada... Parece que ser apenas otimista não muda nada.. não Ajuda em nada.
    Quantos currículos já mandei?! Nem sei
    Moro no interior de SP.. mas mesmo assim ninguém nunca me chama para uma entrevista de emprego.. cidade pequena se vc não tiver referência no lugar..ou algum amigo trabalhando na empresa.. vc pode cansar de procurar. Pra ajudar não fiz nenhuma faculdade.. não tenho cursos... Experiência apenas em duas fábricas pequenas da cidade vizinha que eu morava. Eu também entro em sites de emprego para procurar vagas.. (de tão cobrada que me sinto o tempo todo) e para ser sincera ..nem vagas para ajudante não acho.. há apenas vagas específicas.. como se quizessem esfregar na minha cara que estou sobrando.. que não há lugar para mim. Nesse mundo injusto..onde vim sem pedir.. e não tenho opção de voltar para trás .. me sinto triste. Quantas vezes já bateu o desespero ..e quantas lágrimas desperdicei?! Não sei... Passei por cada coisa.. que noss... Sem palavras. Que bom que ao menos você tem sua mãe.. eu não tenho a minha desde criança. E quase nenhum contato com meu pai.. morei por anos com uma das minhas irmãs. (Coleciono humilhações e decepções) .. Esses dias atrás me peguei refletindo sobre a minha visão de mundo ideal.. Nossa o mundo seria com certeza um lugar justo e feliz para vivermos. E talvez assim eu me sentisse um pouco menos deslocada.. infeliz.
    Incompleta e incompreendida...
    Só queria um mundo melhor.. na verdade queria muitas coisas.. (que infelismente só vejo e vivo na minha mente) .. O tempo me assusta.. pensar que já sou uma jovem adulta tbm assusta.. vivo procurando um sentido pra viver. (Abraços amigo! Espero que esteja bem ) Silene

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou bem Silene, até o presente momento, com 26 anos e o mundo ainda não me devorou... e espero que não faça isso tão cedo. Sempre há sinais de que algo possa dar errado, muito errado e sempre fico preocupado por não haver soluções, soluções práticas, soluções que de fato façam alguma coisa. A única resposta que tenho é esperar, esperar vendo um mundo que não funciona direito permitir que eu continue existindo.
      A situação ainda é a mesma, sem nenhum espaço pra de fato construir algo que possa me ajudar a crer que consigo sair dessa situação. Seja por falta de tempo, seja por falta de espaço, seja por falta de esperança, tudo cumina nesse sentimento que me faz sentir que eu não consigo existir, não aqui.
      Talvez o mais duro seja perceber que, de tudo que jogamos pro mundo para que possamos ter de volta a dita solução, o que mais recebemos é o mundo dizendo que somos egoístas e apenas egoístas. Boas intenções não fazem dessas intenções algo bom. Não importa se para a planta florescer ela precisa de solo bom, você tem que florescer mesmo quando o solo é fraco, cheio de pedras, de espinhos, mesmo que você sinta que está morrendo, que está perdendo as esperanças.
      E então como? Como a planta irá florescer se ela não está sendo bem cuidada? Não tem importância a planta precisar de no mínimo estar sendo bem cuidada, estar sendo protegida, ter um solo suficientemente bom para poder dar pelo menos uma única flor antes de morrer?
      Me pergunto se a quantidade de moradores de rua não tem nada haver com isso. Você pode existir, você pode querer florescer, mas parece que o problema é você e só você por ser sensível demais num solo tão ruim.
      Se há resposta, eu ainda não sei, ainda espero florescer antes do fim... Enquanto isso, vou apenas desejando que outras pessoas vão florescendo, mesmo que timidamente, para que eu não sinta que mesmo se eu nunca florescer, que foi impossível chegar lá. :o]
      Boa sorte! :oD

      Excluir
  4. Em frente ao meu apartamento, existe um coqueiro em um lote vago e todos os dias eu vou na varanda e fico a admirá-lo.
    Toda vez que fixo o olhar nele, eu me transporto para um lugar lindo, leve e calmo. É uma terapia pra mim. Quando olho pra ele, tudo ao redor desaparece, prédios, casas, indústrias, problemas, estresse, ansiedade... Nossa, é a melhor coisa que existe.
    Porém, uns dias atrás eu resolvi olhar além do coqueiro, fique ali parada na varanda olhando cada detalhe daquele lugar, reparei em cada prédio, casa, indústria, igrejas... e é como você disse, eu olho para tudo isso, vejo o enorme tamanho dessa cidade e não consigo imaginar onde eu possa me encaixar e todo aquele sentimento de angústia e incerteza volta. Me dou conta que aquele belo coqueiro logo irá ser removido daquele lote, e no lugar será construído algo “útil” como uma casa, prédio, escritório ou outra coisa. Me dou conta de que se você quiser se encaixar neste mundo, você precisa ser “útil” e o coqueiro não faz tanta diferença naquele lugar, a beleza, a serenidade, a calma não é tão importante quando casas e apartamentos. Ninguém se importa com sentimentos, somente com utilidade. É triste mas é a realidade. Sou uma pianista, será que devo seguir como profissão? Acho que não, ninguém nesse país valoriza esse tipo de profissão, a não ser que você seja útil um dia pra eles, como no dia do casamento ou eventos que precisam de músicos, fora isso, você será uma mera pianista que ninguém se importa ou admira. Então resta a dúvida, ser feliz ou ser respeitada e admirada? É possível ser os dois, mas no meu caso não tem como rsrs Então a solução é estudar que nem louca para passar em uma boa faculdade, se destacar no mercado e o status virá. É, eu realmente não pertenço a esse mundo, mas vou ter que me encaixar de alguma maneira.

    ResponderExcluir
  5. Entra em contato comigo no gmail para que possamos criar um grupo para conversarmos. É muito bom ter por perto quem pensa o mesmo que a gente. É confortante saber que não estamos sós :) mlpraes29@gmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Heh, mais ou menos... Pode ser bom ter por perto quem pensa como a gente, mas sou tímido, introspectivo e, bem, minha capacidade em fazer amizades e mantê-las é praticamente zero. Sem contar que me sinto exposto toda vez que alguém comenta nessa publicação velha - como se eu ainda tivesse 24 e só porque eu vou envelhecer as coisas vão mudar no ano que vem - e isso dói. Preciso muita coragem pra vir olhar o que as pessoas pensam de mim, para me manter certo de que eu tenho o direito de ser eu.
      Não é simples, nunca foi...
      Depois de um probleminha durante a noite, o dono da casa que tomou o meu lugar especial gritou comigo e desde então eu não fui mais lá... Já são meses que eu não consigo sentar e pensar de maneira calma.
      E no entanto, toda noite quando eu levo o lixo pra fora, piso no asfalto e sinto a brisa da noite, sinto como se eu devesse caminhar por aí. De noite? Em São Paulo? Pra ver o quê? Ser assaltado?
      Não faz muito tempo, eu resolvi catar algumas latinhas na rua. Não tinha o objetivo de fazer muito dinheiro, era pura e simplesmente porque... o brasileiro é porco e joga muita latinha no chão, então eu conseguia 20 latinhas ou mais numa única caminhada. Numa madrugada, eu saí para dar uma volta, pegar latinhas e voltar sem que ninguém percebesse. Já tinha andado bastante e coletado um bocado de latinhas quando fui abordado por dois jovens numa moto. Eu estava usando uma dessa bolsas a tiracolo retangulares que fazem você parecer que está levando um notebook ou algo assim. Eles anunciaram que queriam a bolsa e, como eu vi que eles não estavam sendo muito rudes ou apontando uma arma, olhei pra bolsa, puxei o zíper e tirei três latinhas amassadas: "Só tem latinha, juro".
      Eles foram embora, não sei se porque entenderam ou se porque a polícia que estava a uns 100 metros podia aparecer a qualquer momento, só sei que ficou por isso mesmo. Não dava pra ver o rosto, nem placa, nem nada. Só a sensação de perna bamba que ficou.
      Mesmo acreditando que deve haver um jeito, não consigo imaginar nada como inteiro, como certo. Sempre tenho dúvidas, sempre vejo que as pessoas falam sobre o lado bom, mas esquecem o lado ruim. E se você menciona o lado ruim, as pessoas querem te forçar a ver apenas o lado bom.
      O que significa status quando um ladrão pode vir e tirar a sua vida e fazer todo o seu esforço perder o sentido?
      Tenho medo, confesso. O medo pode te cegar, mas e quando tudo o que você está fazendo é querer ter certeza de que nada, ou pelo menos algo muito ruim, não aconteça e você está tentando ficar atento a tudo?
      É difícil, ninguém nasce sabendo. Devemos tentar ou não?
      Os dois.
      Não dá pra ficar parado esperando que o mundo mude, mas também não podemos deixar que o mundo nos mude pra pior...
      Espero que consigas seguir na tua carreira e, mesmo que a visibilidade não esteja lá pra te ajudar, que alguém te abra as portas para que você continue. Se vai ser o bastante, eu não sei. Sei apenas que haverão várias ocasiões em que desistir vai parecer melhor, pois não há futuro certo. Em contrapartida, cabe a você continuar nesse caminho sem futuro, tateando no escuro, abrindo seu próprio caminho. Se há algo no fim do caminho, eu não sei. Mas você pode tentar e continuar tentando. Mesmo que isso seja interrompido, a caminhada que tivemos faz parte da gente agora. Você ainda pode amar pianos, amar a música, ajudar outras pessoas a aprenderem também, mesmo que você nunca mais possa tocar do jeito que você queria... É duro, é a vida. A vida te dá uma jaca quando tudo o que você quer fazer é uma limonada. :o]
      Mesmo que você não goste de jaca (eu adoro) não precisa jogar ela fora, venda pra quem quiser comprar. Xo]

      Excluir
  6. Não precisa ser meu amigo kk só me manda um email pra gente ir trocando textos. Pra eu não ficar comentando aqui. Não tenha medo, não vou te julgar. Se quiser podemos conversar até sobre outras coisas, como por exemplo, clash of clans. Vc joga? Bora cv em algum chat de algum clã kk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente, eu sou do tipo que não quer nem se aproximar das pessoas, não mais... Não sei te dizer, mas até mesmo sem ser amigo é algo... ruim... intragável...
      Um punhado já apareceu e se foi, e já não sei se sou eu ou se são eles... Talvez eu simplesmente não consigo mais me entender como pessoa, a simples ideia de começar a falar com alguém e ter um começo, meio e fim é algo que eu não quero mais... Eu tento parecer normal, mas a decadência é algo que está me engolindo agora... Tentando escrever um livro (terceiro e último da série) e está sendo osso... Personagem sofrendo, eu sofrendo junto com o personagem... Preciso de isolamento, minha mente está bem sensível... Não consigo nem me aguentar, pensar no mundo e tentar encontrar uma resposta razoável para a história é mais complicado do que parece.
      No entanto, jogo clash of clans sim. :o]
      E Clash Royale.
      Sou líder dos clãs DARKBLAZE no Clash of Clans e HELLBLAZE no Clash Royale.
      Bem, não estou muito afim de jogar ultimamente, eles me tomam muito tempo e preciso me concentrar pra escrever alguma coisa... Sou o único no clã do Clash of Clans e não tem muita gente no do Clash Royale - sou o mais ativo, os outros 3 mal conseguem 10 coroas durante o fim de semana e jogar praticamente sozinho pra conseguir chegar até o baú 2/10 é exaustivo... OTL
      Teve uma moça que tinha entrado no clã do CR que conseguia mais de 400 coroas sozinha! Juro, não sou macho o bastante pra ser que nem ela! Xo]
      O Darkblaze está aberto apenas para convidados, mas se quiser passar algum tempinho lá, eu mudo as configurações do clã. Tô no CV level 6 ainda, comecei há pouco tempo. Estou há mais tempo no Clash Royale, arena 8... cheguei a encostar na arena 9, mas logo caí... Xo/
      Imagina o trabalho pra chegar na arena lendária... @_@)'
      Fico feliz em ganhar lendária, mas triste por saber que pra maximizá-la, vou preciso de mais alguns anos jogando... OTL
      De qualquer forma, obrigado pela mensagem e por querer conversar um pouco, sinto muito por não poder corresponder suas expectativas e continuar conversando... Não estou aberto nem pra isso. Quem sabe outro dia? :o]

      Excluir
    2. Entendo... Quando puder deixa o código do seu clã do clash of clans aqui

      Excluir

Dúvida, crítica ou sugestão, é só comentar!